#41 Using a Positive Information Diet – for food!

I’ve been eating a lot of frogs recently, and I only have myself to blame. #42 Eat that frog couple has turned out to be an extremely efficient tool. So far I ate 29 of the 30 planned frogs, and have done things of unimaginable levels of Bureaucracy. This has been one of the most useful challenges so far, for fun and for productivity. If possible in the future I’ll try to make other things into a couple and see how it goes. Here are the frogs eaten thusfar, this was a specially bureaucratic month, both because bureaucracy is really aversive, and because there were high stakes:

1 Male – Solve long-versus short term crises

Female – Restart using blog for challenges

2 Male – Set up so I can freeze blood cells

Female – Finish writing Elon Musk Grant

3 Male – Fill in bureaucratic Phoebe System

Female – Set up dates for the near future

4 Male – Find out what happened to my Capes

Female – Pick I-20

5 Male – Fill in Phoebe with Adviser

Female – I-20 related document delivered to correct entity.

6 Male – Do all necessary Visa things

Female – Write the addendi for Musk Grant.

7 Male – Get foggy PDF to Indian guy to print, make Citi generate Checks on the fly

Female – Cause someone else to actually understand the grant system. (most likely Maite)

8 Male – Reorganize entire Wunderlist – (fail)

(Outdoors day lasted to 23:40, I believe the failure mode of not doing this after 23:40 was not using the computer to begin with, and having web access on my cell phone, which I fixed.)

Female – Have a delicious outdoors day.

9 Male – Reorganize entire Wunderlist

Female – First item of Wunderlist once done

10 Male  – Fix the phone payment

Female – Sleep early

11 Male – Get Cryonics stuff more organized

Female – Tackle reviewed problems with the proposal.

12 Male – Study grammar for an hour

Female – Have a beautiful encounter with a great human being

13 Male – Schedule Dentist, Doctor, and Have a plan for sleeping 8 hours straight at night.

Female – Learn Fourier transform

14 Male – Solve the Berkeley bureau-crisis

Female – Write down the next blog entry.

But eating frogs has an unintended consequence: I’ve been putting in a lot of weight. Ok, maybe that was correlation and not causation. Nevertheless, it’s been a while since I entered anything like a diet, and now I have a better model upon which to base a diet to begin with. Here is an instant gratification monkey from the model. There is one of these in your head, right now.

drunken-monkeys-funny

As long as the instant gratification monkey, that little guy who makes conscientious future-you never exist, and present-you never as focused is kept at bay somehow, preferably without the emergency mode panic monster,  we’re off to a good start.  Here is a gratuitous picture of Musk holding a panic monster.

Musk Panic Monster

Frequently people will try to establish a diet by the things they don’t want to want to eat. Like chocolate or cheesecake. There are many problems with that approach.

What is wrong with this attempt is that it ends up being a negative list. A list of what what I do not want to intake. Since possibilities are infinite, this will give me ridiculous cognitive load, and that is a problem. Another problem is that brains are not so good at processing negatives, so please don’t think of a white bear and don’t feel enticed by the fact that you cannot eat strawberry ice-cream.

Well, here is simple solution, which I used for a food diet before, and worked great:  Name not what you cannot do, but what you are allowed to do. Way fewer bits, way easier to check!

Food example: I’ll eat only plants, lean fish and chicken, nuts, fruits, whole pasta, beans and Chai Lattes.

We are better at checking for category inclusion than exclusion. There are so many available categories to exclude from that we don’t feel bad that we “forgot” to check for that one. Then after you let yourself indulge in a tiny one, a small one doesn’t seem that bad, and snowball effect does the rest. We sneak in connotations to make categories smaller, so our actions stay safely outside the scope of prohibition. Theoretically, we could do the reverse, but it is psychologically much harder. Just try to convince yourself that beef is “lean chicken” to see it.

So let us forget completely about the negative method. There is no kind or class of kinds to avoid. there is only G=Goal and P=Positive, and now there is also T=Time of enforcing, the time during which P is in force, since escape valves might be necessary to avoid “screw that” all-or-nothing effects.

#41 A positive information diet  adapted for food:

G=lose 5 kilos in a month. 

P=I’ll eat only plants, lean fish and chicken, nuts, fruits, whole pasta, beans and Chai Lattes.

T= All days but Friday

T=When I’m paying for the food

Now there is a simple to check list of things I want to do, I could be doing, and I’ll try to do until G arrives. I can only do those. If x doesn’t belong, don’t do it, that simple. I’m free on Friday or when there is free food to do whatever, thus I don’t feel enslaved by my past self – and the instant gratification monkey doesn’t take control easily.  No heavy cognitive load is burning my willpower candle (Shawn Achor 2010) by trying set theory gimmicks to get me to do the wrong thing.

Also, just for public commitment, I currently weight

X8 kilos

so the goal is to weight

X3 kilos.

So please, take your own variation of the:

          Positive Information Diet Challenge

Write your G’s (goals) P’s (positives) and T’s (times), and forget about your A’s (Avoids)  

I’ll eat only plants, lean fish and chicken, nuts, fruits, whole pasta, beans and Chai Lattes.

I’m doing this for food, you can use it for your information diet- all the emails, messages, news and comic strips. No one is thin enough information diet-wise.

Well let’s try this!

If you just arrived at diegocaleiro.com, take a look at the first challenge as it is the only one you have to go through to jump straight on to the current challenge. Do challenge yourself on the comment section, and every first of the month, I’ll start a challenge chosen by my readers, and ask how they are going at their own self-challenges. Every 15th, I’ll choose one for myself. If you want to give me a challenge, make a comment in the most recent post, which is where I’ll get them from every 1st of the month. To subscribe to diegocaleiro.com and keep track of your challenges, click on the blackish square on the bottom right that says follow.  If you are logged in a wordpress account, check the top left instead. – Diego

#42 Eat that frog couple!

Ah… that was a good interludeglad to be back to challenge-land! 

In case you forgot, this blog is in part a series of challenges, which were undergoing an interlude while my beam of motivation from moving to Berkeley in the Bay Area Rationalist community was strong.  That was a long bout of satisfying motivation and somewhat clear goals. 

Now we are back. Now I feel again that challenging myself and being challenged by you  could be very good for me .  If you want to leave a challenge suggestion, use the comment section below. Same if you want to challenge yourself and keep us posted. There are 42 challenges to go, and here is this month’s one: 

#42 Eat that frog couple! 

Rehashing that nice little book Eat that Frog, I’ll say that two frogs a day keeps the doctor away. This month I’ll begin each day selecting two frogs, one male – the most aversive activity that I would like to get done that day – one female – the most valuable activity I could get done that day.  And these frogs will be eaten in the morning, before interfacing with the internet. Then of course, I’ll post a list of the 60 frogs consumed in here.

If you decide to do the challenge yourself, Freedom, which blocks the web for predetermined time windows, may help you.

Owl frog

So let’s get going!

If you just arrived at diegocaleiro.com, take a look at the first challenge as it is the only one you have to go through to jump straight on to the current challenge. Do challenge yourself on the comment section, and every first of the month, I’ll start a challenge chosen by my readers, and ask how they are going at their own self-challenges. Every 15th, I’ll choose one for myself. If you want to give me a challenge, make a comment in the most recent post, which is where I’ll get them from every 1st of the month. To subscribe to diegocaleiro.com and keep track of your challenges, click on the blackish square on the bottom right that says follow.  If you are logged in a wordpress account, check the top left instead. – Diego

Human Minds Are Fragile

Crossposted from Lesswrong (glossary at the bottom)

 

We are familiar with the thesis that Value is Fragile. This is why we are researching how to impart values to an AGI.

Embedded Minds are Fragile

Besides values, it may be worth remembering that human minds too are very fragile.

A little magnetic tampering with your amygdalas, and suddenly you are a wannabe serial killer. A small dose of LSD can get you to believe you can fly, or that the world will end in 4 hours. Remove part of your Ventromedial PreFrontal Cortex, and suddenly you are so utilitarian even Joshua Greene would call you a psycho.

It requires very little material change to substantially modify a human being’s behavior. Same holds for other animals with embedded brains, crafted by evolution and made of squishy matter modulated by glands and molecular gates.

A Problem for Paul-Boxing and CEV?

One assumption underlying Paul-Boxing and CEV is that:

It is easier to specify and simulate a human-like mind then to impart values to an AGI by means of teaching it values directly via code or human language.

Usually we assume that because, as we know, value is fragile. But so are embedded minds. Very little tampering is required to profoundly transform people’s moral intuitions. A large fraction of the inmate population in the US has frontal lobe or amygdala malfunctions.

Finding out the simplest description of a human brain that when simulated continues to act as that human brain would act in the real world may turn out to be as fragile, or even more fragile, than concept learning for AGI’s.

Glossary:

AGI: Artificial General Intelligence, an intelligence that can transfer knowledge between domains like we do and do things in the world with such information.

CEV: Coherence Extrapolated Volition, the suggestion that indirect normativity be done by simulating what we would do if we had grown up longer together and were smarter and better informed. Summarized in the beggining of this post:

http://lesswrong.com/lw/af0/troubles_with_cev_part1_cev_sequence/ 

 Paul Boxing: the suggestion that indirect normativity be done using a specific counterfactual human with a computer to aid herself. As explained here: 

 https://ordinaryideas.wordpress.com/2012/04/21/indirect-normativity-write-up/ 

Paul comments: that post discusses two big ideas, one is putting a human in a box and building a model of their input/output behavior as “the simplest model consistent with the observed input/output behavior.” Nick Bostrom calls this the “crypt,” which is not a very flattering name but I have no alternative. I think it has been mostly superseded by this kind of thing (and more explicitly, here, but realistically the box part was never necessary). The other part is probably more important, but less colorful; extrapolate by actually seeing what a person would do in a particular “favorable” environment. I have been calling this “explicit” extrapolation. I’m sorry to never name this. I think I can be (partly) defended because the actual details have changed so much, and it’s not clear exactly what you would want to refer to.

 

 

 

What I have lived for, plus what I have lived against.

Soundtrack (play the music while reading, don’t watch the video)

 

Three passions, simple but overwhelmingly strong, have governed my life: the longing for friendship, the search for knowledge about minds and evolution, and unbearable desire to make mankind very happy. These passions, like great winds, have blown me hither and thither, in a wayward course, over a great ocean of anguish, reaching to the very verge of despair.
.
Three enemies, simple, but overwhelmingly strong, have kept me from reaching as high as I could so far: a desire to click the next hyperlink, sugar and other addictive substances, and the insurmountable desire to remain awake at late night time.
.
I have sought friendship, first, because it brings ecstasy – ecstasy so great that I would often have sacrificed all the rest of life for a few hours of this joy. I have sought it, next, because it relieves loneliness–that terrible loneliness in which one shivering consciousness looks over the rim of the world into the cold unfathomable lifeless abyss. I have sought it finally, because it seemed more legitimate than romantic love. In true friendship I see the prefiguring vision of the heaven that saints poets and Singularitarians have imagined. This is what I sought, and though it might seem too good for human life, this is what–at last–I have often found.
.
Passionately I have fought the desire to click the next hyperlink. I installed Adblock, Chrome Nanny, Facebook Nanny, Stay Focused, Wunderlist, Beeminder, I wrote notes to self in my desktop, I created mental rules for when to consider turning off the web, I got a kindle and bought physical books, yet again and again the acceleration of addictiveness has found a way into my dopamine system.
.

With equal passion I havesought knowledge about minds and evolution. I have wished to understand the hearts of men. I have wished to know why the jelly fish shine. And I have tried to apprehend the Darwinian power by which algorithm holds sway above the flux. A little of this, but not much, I have achieved.

Sugar and other substances, quadrillions of times smaller than me, too I have sought to understand and avoid. I would not be shocked if I have diabetes already, nor if, decades from now, my cause of death turns out to be cheesecake. Avoiding a little of this, but not much, I have achieved.

Friendship and knowledge, so far as they were possible, led upward toward the heavens. But always gratitude brought me back to earth to give back. Echoes of opportunities for awesomeness wasted reverberate in my heart. Children in famine, anti-touch societies, social people who didn’t geek, geeks who don’t socialize, and the whole world of loneliness, have shown how far we are from the end of the human experiment. I long to alleviate this evil, but I, alone, cannot, and I too suffer.

To remain awake at night was the promise of dreamland. A magical place where all your actions are justified, where the bohemian and the workaholic can both be you, where artist meets stallion meets rockstar. Above all the night was at one time the elixir of signaling youth, and a timeless space where I felt no reason to use time efficiently and direct attention towards anything in particular. After 10pm, existential risk, OkCupid and SMBC-comics were on a par, and the world too, suffers.

This has been my life. I have found it worth living, and would gladly live it again if the chance were offered me.

 


 

Analysis: Russell, who wrote the beautiful original on which this is based, was approximately as lucky as I am, in the timeless grand scheme of things. Being born 114 years sooner is a disastrous, unbelievably large disadvantage, but it can be overcome if you are the grandson of the British prime minister, had tutors to educate you, were visited by Darwin in childhood, are brilliant, lived 97 years, and had personal contact with the kings, czars and presidents of your era. 114 years later, I get to have equivalents or even improvements over most of his at the time hyper-scarce resources on the cheap, via division of labor, internet, and a globalized very large society living in the global macro metropolis of big cities.
The cost however is that what has provided me with advantages only dreamt of by kings in the late eighteenth century, comes now, like the water in a cactus in the desert, surrounded by thin layers of poison and thorns, which only great tools and long-term minds can reach. Many times I have fought against the addictive cacti of life. Few times I have won. This very writing itself is an attempt to signal, to me and to others, how more interesting my life will be if I at some point finally find a way out of these pernicious malignancies that separate me from a full potential.

I have come a long way, but as the amazing book title that never stops amazing me says: What got you here won’t get you there.

Ditados Populares Corrigidos

Conversando com um amigo, acabei dizendo a seguinte frase:
As melhores coisas da vida são de graça, fora os 2000USD que custa viver aqui (San Francisco Bay Area) por mês.
E o que estava fazendo, de fato, era corrigir um ditado popular por uma versão verdadeira do mesmo, uma versão que não é um pensamento em cache, ou cached thought.
Deixo aqui sugestões de ditados populares corrigidos e a definição de cached thoughts.
cached thought is an answer that was arrived at by recalling a previously-computed conclusion, rather than performing the reasoning from scratch. Cached thoughts can be useful in saving computational resources at the cost of some memory load, and also at the risk of maintaining a belief long past the point when evidence should force an update. In particular, cached thoughts can result in a lack of creative approaches to problem-solving, as cached solutions may interfere with the formation of novel ones. What is generally called common sense is more or less a collection of cached thoughts.

On Media and Effective Altruism

What is the kind of distortion you should expect if you are interviewed or go through media as a representative of EA?

Here is my response (I’d like to write a version of this writing for the Effective Altruism blog) 

 I’ve been interviewed/covered since I was 10 in many media. So I may have something valuable to share with EA’s on media distortion. When young I was interviewed in school with some of the other kids, and I’d notice that the TV show would come to the school already knowing exactly what they wanted us to say. They’d basically tell the teacher what he should inquire us about or lecture about, and the teacher would do so. Later they would interview us making questions hardly related to the class they were supposed to be covering, and even these questions would later be cut into a few seconds of something they already knew to begin with. I noticed that even the news part of TV is not news back then, it is pre-arranged fake reality.

 As an arrogant young teenager I refused giving further interviews when I was about 14, and I’d leave class if it was being filmed for some reason.

 Sometimes though you want to be filmed for some ulterior purpose. This happened to me when a movie director and producer came to me asking whether I would think it is a good idea that she made a documentary about me. More specifically, a documentary about the fact that I wanted to be cryopreserved when I died, “Diego Wants to Live Forever”. I was shocked and felt unsure about it. I sat down and told her “I can only decide later on”. So I asked people what they would do on Lesswrong, the World’s greatest rationality blog:

http://lesswrong.com/lw/6v0/if_your_cryonicism_would_be_movie_topic_would_you/

 I didn’t want to be filmed for filming sake. But there were ideas I could promote through the film, discussion of the Technological Singularity, Transhumanism, Immortalism, all topics unheard of in my native Brazil. Slowly those could be turned into discussion of GWWC and other Effective Altruist organizations as well, later. So all things considered I choose for it. The movie is yet to be released since it grew from a 15 to a 60 minutes documentary. The one thing I kept in mind throughout is that if my goal was to self promote, the movie would be terrible, since being a cryonicist in a christian country where no one else is makes you look completely insane. If I wanted to promote those ideas, I’d pay a price in my image, but attracting new interested people to those memes that surround cryonics (not to cryonics itself, I have no interest in promoting it) seemed to be worthy. If someone wants to interview you or film you, always consider it a personal image sacrifice for a cause, and see if the cause is worthy enough. You’ll never be depicted as you’d like to be. If you are not the writer, then the goal of the media is not your goal, check trade-offs carefully.

 After that I was featured on a TED talk. TED is libertarian media so they actually let you do what you came to do, and help you improve. The purpose of the TED@ event was to select people for TED global 2013. No one from my country got selected, but that didn’t matter, because the topic on which I spoke, Effective Altruism, got selected. TED curators are smart, and they had no reason to pick me over anyone to talk on TED Global about Effective Altruism, they did what they should, and invited Peter Singer to speak on behalf of the movement. Some media can really help you achieve your goals, specially if your goals don’t mind whether you are present or not, nearly always the case with Effective Altruism. If the media that wants you is TED like, go for it and don’t worry, they are there to help you.

 Later on were my so called 15 seconds of fame. This time I knew the distortion would be drastic, uncanny, absurd. The worlds second largest TV network (Globo) wanted to interview me for their Sunday show, the most viewed one. At the same time, Record, a smaller TV network was going to broadcast an interview with me. Basically, 40 million people would see me on TV. This is a massive amount of people, and I knew nothing I said could be immune from distortion, you don’t get to be the second worldwide without some manipulation skills. The interview was again related to the one thing I don’t want to get people’s attention to, cryonics. A man’s body was being held in the country due to a legal fight between sisters, since he wanted to be cryopreserved and only the daughter who lived with him wanted to send him to Cryonics Institute. That is what the media wants, they want to see half sisters fighting over a dead frozen body, that’s what gets most eyeballs, and I was a side dish given I’m the only Brazilian actually signed up for cryonics.

 Not long before I had founded my memetic child, http://www.ierfh.org, an Effective Altruism/Transhumanism promoter institute, we were growing and producing a lot. Our purpose was broadcasting, and there would never be a chance of broadcasting the right things for 40 milion people. The question in my mind was, was it worth it to broadcast the wrong things?

 I decided in favor of it. I tried to negotiate with the reporters so that my name would appear as “IERFH’s director” somehow. Something, a tiny tiny thing, that could connect that whole tragic comedy they wanted to broadcast as news to my actually serious work related to things I actually cared about. Of course this was to no avail. The major network displayed specifically the name they promised they wouldn’t (what am I going to do, sue a company worth tens of billions?) and the other one didn’t do what I asked, but at least also not the exact opposite.

I had done my homework, I wrote a piece on cryonics connecting it to Transhumanism to attract those who googled about me or cryonics or both. The bridge was there. We paid Google ads to show up on top on Google for a few days. If there were similar mind’s we would lure them into talking to us and collaborating. I learned that 40 million is a massive number of people. It is so massive that though I nearly didn’t appear in one channel, and none of the links that I wanted them to provide were there, dozens of people came to me or to us in the next few days. Few had something to offer or knew what they were talking about. but it has shown me the power of big numbers. When people say no press is bad press, it’s because when you have massive numbers, those at the curve’s tail can be helpful for you. If it’s big enough, I recommend you do it, regardless of distortion. It’s those who see through that matter most.  

But for most press related matters, numbers are more mundane, in the low thousands, and trying to forecast the trade-off is worth it. Sometimes it is better not to do it. The recent coverage of Effective Altruism by Rhys Southan (with a distorted title by someone else, but keep in mind not even your interviewer has complete control over his writing), is a good case in point. I invite you to use it as proxy for how much you are willing to be distorted. Here are the parts of his article that mention my name:

From this point of view, the importance of most individual works of art would have to be negligible compared with, say, deworming 1,000 children. An idea often paraphrased in EA circles is that it doesn’t matter who does something – what matters is that it gets done. And though artists often pride themselves on the uniqueness of their individuality, it doesn’t follow that they have something uniquely valuable to offer society. On the contrary, says Diego Caleiro, director of the Brazil-based Institute for Ethics, Rationality and the Future of Humanity, most of them are ‘counterfactually replaceable’: one artist is as pretty much as useful as the next. And of course, the supply is plentiful.

‘We’re actually very stacked out with people who have good mathematic skills, good philosophy skills,’ Robert Wiblin, executive director of the Centre for Effective Altruism, told me. ‘I would really love to have some artists. We really need visual designers. It would be great to have people think about how Effective Altruism could be promoted through art.’ Aesthetic mavericks who anticipate long wilderness years of rejection and struggle, however, would seem to have little to contribute to the cause. Perhaps they should think about ditching their dreams for what Caleiro calls ‘an area with higher expected returns’.

And the next paragraphs are the content from which he drew them, about a 1/4 of the whole written interview (the rest was simply discarded), I don’t  want you to assume beforehand that I find his a very degrading or very uplifting change in what I said. I want you to see for what it actually is, so you can judge for yourself if you would do an interview if you were in my place, Our cluster of ideas, from Transhumanism and Singularity to Effective Altruism and X-Risk reduction are becoming mainstream by the day. You may have to face similar choices to those I did. Rhys was actually very interested and from my experience, he distorted quite a bit less than what is usually done, so take this as a below standard level of distortion:

When I was originally going to write an article about effective altruism, it was going to be about earning to give. My one hesitation was that I felt like someone else could easily write a similar article about earning to give, and I worried that made my “replaceability” very high. (And it turns out it was — someone had already written such an article.) Do you find yourself applying the concept of “replaceability” to other aspects of your life? Like could you consider the replaceability of someone you’re dating and the marginal improvement of happiness they bring to your life compared to someone else you could be dating?

That is a great question because Love, as very few things in life, is exactly the kind of emotion in which you can’t apply the logic or replaceability, or as we philosophers call it, counterfactuals. A great part of what love is is valuing a relationship. A specific one relationship that is built over time. Most songs about love, as Marvin Minsky reminds us, are about how the loved one could become anything, even a dumb psycho crazy nutcrack, and we would still love them. There are things that counterfactual reasoning can’t buy. For all others, there is effective altruism.

I suspect artists will tend to resist the effective altruism idea: there seems to be no place for them within EA, unless they happen to already be very successful, in which case they can earn to give. Do aspiring artists who want to do art full time pretty much have to give up that dream and change courses if they want to become effective altruists?

Artists are fighting in red markets. The things they make dispute people’s attention, and there are way more things available to pay attention to then there is attention to be given. Nearly all artists are counterfactually replaceable. This is why you feel they have no space within the EA movement. What I find interesting is that most of the early effective altruists come from a philosophy background, and the exact same is true of philosophy. Nearly no one reads academic publications by philosophers, and the area is so disputed it is hardly the case that anyone who left the profession would leave a significant blank behind that no one else could fulfill. Even then the EA movement thrives among philosophers, we should expect that over time, artists will find similar unusual paths to either conciliate their interests, or else shift their perspectives.

And related to the previous question, one thing that effective altruism does is put things in perspective, and artists and other creators of various sorts won’t like the perspective EA provides: by judging actions based on how much they improve well-being and decrease harm, the works of art, comedy routines and so on that people create turn out not to be that important after all. Devoting years of your life to writing a novel, for instance — while many see this as noble in some way — seems to be a horribly inefficient way to make a positive difference. Is there a way to reconcile effective altruism with artists’ beliefs that their creations are worthwhile contributions?

The short answer is no. Something will have to give, either effective altruist artists shift their art to promote altruism, like some friends of mine are doing here in São Paulo, or they abandon the artistic field. Art is a noble pursuit, and it should always be the case that a small subset of humanity is pursuing artistic expression and interacting with the world in that way. But I don’t think it will ever be the case that this subset will become so small that it would actually be worth it, all things considered, to choose to become a novelist instead of an effective altruist in some other area with higher expected returns. Not because the value of art is any less than people believe it is, but just because it is infinitely easier to understand the value of art, than to understand the value of saving the lives of hundreds of people who live across the ocean, or across the century. When I say it explicitly it may not seem that way, but hundreds of millions of people are able to see the value of art, and only very few, less than one in a million, if you consider the entire world, have already understood how much good they can create by being as altruistic as possible.

This is it, make your decisions accordingly and keep in mind that the media is part of reality, in a sense, of nature, it is not good or bad intrinsically. It has it’s properties just like gravity, which can help or hinder, and if you want to use it, you have to understand those properties and be prepared for them.

My book: Simulating Dennett – This Wednesday in Sao Paulo

I’ve written a book called Simulating Dennett nearly five years ago now (if you are considering an academic career, keep that slow paced speed in mind, for good or ill). It summarizes Dennett’s philosophy  while trying to make the reader able to think like Dennett. It seemed to me at the time, and still does now, that Dennett’s kind of mind is very interesting and we should have more of those, so I tried my best to create a Dennett installer in book form.

Simulating Dennett: Tools and Constructions of a Naturalist

 

Is the 244 pages that ensued. Portuguese or Spanish reading skills advised. Or use it to learn Portuguese prior to your trip to Rio, Pantanal, Iguaçu Falls and the Amazon Forest. (for legal reasons I’ve chopped out the second half of the file, but there are instructions on how to get it when you get to the end of the first half)

 

Abstract

This dissertation intends to provide the reader with an inner simulation of Daniel Dennett’s form of reasoning, spreading over his whole philosophy, emphasizing his treatment of patterns, the evolutionary algorithm, consciousness, and his use of illata, abstracta, semantic, and syntax, to carve nature at its joints, especially biology and the human mind. It recasts, in a new light, great part of his most important ideas, and reverse engineers what made him think in particular ways, walking the reader through similar pathways, fostering an active learning of a thinking style, above and beyond a mere exposition of the results obtained by this thinking style over the years.

Keywords: Daniel Dennett, Consciousness, Memetics, Intentional stance, Evolution,

Algorithm.

 

This Wednesday 2013-03-19 at 14:00 I’ll be presenting it as thesis in the University of São Paulo. Lesswrongers passing by Brazil, or the 20 of us who actually live here are welcome to join.

Here is the Facebook event.

10 Razões pelas quais estou indo embora

Ao longo dos últimos anos, milhões de pessoas imigraram para os EUA, pelas mais diversas razões. Algumas delas são Einstein, Schwarzenegger, Freud, Pelé, Elon Musk, Rodrigo Santoro, Anthony Hopkins, Max Tegmark, Edir Macedo, Steve Pinker, Daniel Dennett, Aubrey de Grey, Bob Marley, John Lehnnon, Ang Lee, Isabel Allende, Ironicamente Levi-Strauss, Chaplin,  Yao Ming,  e Yo-Yo Ma.

Tomemos o exemplo de Elon Musk, o verdadeiro homem de ferro, gênio, bilionário, playboy, filântropo, pai de 5.  Originalmente Sul-Africano.  Because when children like Elon Musk attain the kind of self-awareness that leads to questions about environment—Where in the world can I go for the license and the room to do what I must do? Where in the world are my peers?—they always, and still, come to the same conclusion.

Elon Musk knew when he was a child. A remarkable conviction for a child to have, and all the more so because there was no specific dream attached to it. There was no “to build rocket ships” or “to make millions” or “to design computer software.” Instead, Elon (pronounced ee-lon) had this thought, consciously, literally, and at the age of 10: America is where people like me need to go. That is where people like me have always gone. A place that was the photographic negative of apartheid South Africa, a place less encumbered than any in the world, ever, by fear.

“It is as true now as it has always been,” says Elon Musk, the man who is endeavoring—as preposterously as he is credibly—to give the human race its biggest upgrade since the advent of consciousness. “Funny how people seem to have forgotten that. But almost all innovation in the world takes place in the United States.”

Não sou nem de longe inteligente como o Elon, e por isso, o que ele percebeu aos 10, eu percebi aos 26. Mas em verdade, minhas razões positivas para ir para os EUA são fáceis de encontrar. Qualquer imigrante pode dizê-las. Vou concentrar-me aqui em lhe contar as 10 razões negativas pelas quais vou-me embora. As razões pelas quais preciso, e quase todos precisamos sair daqui.

Digo quase todos porque creio que essa afirmação seja mais válida para quem tem score alto no big 5 personality traits em Conscientiousness, Openness to experience e Extroversion.   Para vocês, minhas razões pelas quais “Nessa terra a dor é grande a ambição pequena, Carnaval e Futebol”, cada uma divida em 5 partes; O que é? ; Exemplo Prático; Porque é Importante? ; Como tranformar sua vida nessa direção; O que você ganha com isso?

1) Dever Ser e a Falácia Naturalista

O que é?

Dever não é Ser, Bom não é Verdadeiro. (E a Falácia Naturalista)

 O raciocínio, ao ser utilizado para pensar a maneira que o mundo funciona deveria funcionar de uma maneira não enviesada, e isso significa basicamente uma das coisas mais difíceis de se aceitar para algumas pessoas, que é que o mundo não tem maior probabilidade de se comportar da maneira que você deseja somente porque você assim deseja, o mundo funciona como funciona, e ele não leva em consideração nem o que você considera moralmente bom, nem como você crê que ele deveria ser. Suponha que astrônomos descubram que não haverá um eclipse na terra pelos próximos oitenta anos, e que por alguma razão a mídia mundial divulgasse a notícia como chocante, com o seguinte título: “Toda Uma Geração Humana Ficará Sem Poder Ver Eclipses.” Bem, se as notícias fossem suficientemente convictas, provavelmente haveria uma grande quantidade de pessoas que fortemente desejariam que houvesse um eclipse em suas vidas, do fundo do coração. Mas não é bem provável que alguém começasse a realmente acreditar que haveria um, independentemente de quantas pessoas concordassem que o mundo seria um lugar melhor se houvesse. Isso é facilmente compreensível para qualquer um, mas o mesmo raciocínio não se aplica, por exemplo, à maneira que as pessoas tendem a pensar sobre a natureza humana. Se mostramos a alguém um estudo que diz que algumas pessoas são mais inteligentes que outras biologicamente, ou que homens têm maior probabilidade de estuprar porque nossa espécie é neotênica, a maioria das pessoas diria: “Blasfêmia! Você está tentando justificar terríveis comportamentos baseado na natureza e portanto sua concepção de natureza não pode ser verdadeira. ” “Justificar” é uma palavra bastante ambígua e traquinas, já que pode significar tanto justificar eticamente como logicamente, o que são significados bastante distintos. Nos dois casos considerados, a pessoa que mostra o artigo está de fato tentando justificar logicamente uma razão pela qual algumas pessoas são mais inteligentes e também a razão pela qual algumas pessoas tem tendência a estuprar. Esse tipo de justificativa significa que ele está tentando dar uma explicação, uma maneira de ver, de porque as coisas são como são, de quais fatos do mundo, juntos, geram alguns fenômenos como inteligência diferencial e estupro. Dizer que esses fenômenos são altamente determinados por predisposições biológicas para uma arquitetura cerebral escrita no código genético não é em nenhum sentido possível concordar que essas coisas sejam boas, não é senão concordar que elas são reais, ou muito provavelmente reais.

Por outro lado, a pessoa mostrando os estudos não está tentando mostrar que o mundo deveria ser assim, a maneira como o mundo deveria ser não é o estudo da ciência, nem da filosofia analítica, é o estudo da política, filosofia moral e ética, religião, tecnologia etc…

A compreensão do fato de que a natureza não justifica eticamente nada, ela apenas justifica logicamente, é um importante aprendizado para qualquer um que queira discutir a respeito das coisas do mundo sem um viés ético. O viés ético vem da falácia naturalista, como G. E. Moore chamou esse tipo de desentendimento, ou da confusão entre dever ser. A falácia naturalista e o problema da confusão do que é com o que deveria ser, são, na minha opinião, os fatores dirigentes por trás do relativismo que estupidifica e massacra a possibilidade de aprendizado. São a principal força que opera contra a possibilidade de aprender em nível individual, grupal e institucional. São a desculpa perfeita para manter seus preconceitos e seu nível de conhecimento atual, e fingir para si mesmo que se está justificado.

Exemplo Prático.

Disse um sábio chinês: A morte dá sentido a vida.
Respondeu Ivain: Qualquer idiota pode lhe dizer porque a morte é horrível, mas é necessário um tipo muito particular de idiota para acreditar que a morte seja boa.

Porque é Importante.

Fiz meu melhor ao longo de anos para convencer as mais inteligentes mentes dessa ideia simples, obviamente verdadeira, mas a falácia foi mais forte. É necessário partir para onde ela já foi eliminada. Um lugar onde não confundimos “Coisas totalmente absurdas proferidas por figuras de autoridade de maneira misteriosa e sem explicação” com “sabedoria”.

Como transformar sua vida nessa direção

Nunca deixe um argumento pronto que ouviu há anos dominar sua capacidade de raciocinar sozinho, e procure investigar se sua crença não foi causada por um fator ambiental tal, que se você tivesse nascido na situação oposta, teria  a opinião oposta. Se vivesse num universo em que todos os seres humanos tem vidas parecidas com as nossas, salvo que são imortais, você inventaria a morte? Você defenderia a morte? Você lutaria não só pelo direito, mas pela obrigação de morrer, de maneira lenta, angustiante e imprevisível?

O que você ganha com isso?

A capacidade de pensar fora da caixa dos preconceitos que a sociedade lhe impôs. A chance de viver uma vida melhor do que a que o sistema programou para você.

2) Não se importe com o que os outros pensam. Eles não pensam.

O que é?

Não há uma maneira agradável de dizer isso. Mas ninguém ao seu redor faz ideia de absolutamente nada. Somos uma espécie jovem que apenas agora atingiu um estado mínimo de globalização e compartilhamento de conhecimento. Peter Thiel, o primeiro investidor do Facebook, filósofo bilionário e criador do Paypal sumariza bem ao falar de como ninguém sabe o que fazer com dinheiro:
Acho que isso realmente é o que acontece em grande medida: Você começa um  negócio bem sucedido, você vende a compania ou ações. Você ganha algum dinheiro. Questão: O que você faz com o dinheiro? Você não tem ideia, porque… ninguém sabe o que fazer com nada. Então você dá o dinheiro para um grande banco lhe ajudar a fazer algo. O que o banco faz? Ele não tem ideia, então ele dá o dinheiro a um portfolio de investidores institucionais, e o que eles fazem? Eles não tem ideia. Então colocam o dinehiro num portfolio de ações. Não numa ação específica, porque isso sugere que você tem opiniões, ou ideias, e isso é perigoso porque sugere que você não participa [da ideia prevalente de um futuro indeterminado mas otimista]. E então o que as companias fazem com o dinheiro? Disseram para eles que eles devem gerar free cash flows (fluxos de caixa livres) porque se eles fossem investir o dinheiro em coisas específicas, o que é um problema porque sugere que você tem ideias, e essa é uma das piores coisas nessa visão de mundo de um futuro indeterminado, aleatório mas otimista que domina a sociedade atualmente.

Exemplo Prático.

É muito comum as pessoas fazerem as principais escolhas de suas vidas confundindo razões instrumentais (como o dinheiro) com razões finais (como “nadar numa piscina morna 2 vezes por semana com amigos comendo churrasco). O exemplo mais comum é fazer um curso de graduação. A pergunta que fazemos as crianças e adolescentes sempre é “o que você quer fazer de faculdade?” quando evidentemente deveria ser “Que problemas você gostaria de resolver?” “Como você pretende ajudar os outros?” ou algo similar. Não é de se admirar que todos se sintam perdidos na faculdade, afinal, até chegar nela, lhes foi dito que a faculdade era o objetivo. O mesmo vale para empregos.

Porque é Importante.

Absolutamente nada do que você faz deveria ser sem propósito. E a cadeia de “Por que?”, a qual qualquer criança é capaz de proferir para seus pais tem necessariamente que se encerrar em um de seus objetivos finais. Se ela não está fazendo isso, você não deveria estar tomando essa ação. 

Como transformar sua vida nessa direção

Para cada ação que leve mais de 10 minutos, imagine uma criança adorável lhe perguntando por que você vai fazer aquilo. Assim que você chega numa razão final, ela sorri, lhe dá um chocolate e lhe abraça. ex:

  •  Procurando imagens para o TCC -> Ter um bom TCC -> Ser aprovado na universidade -> ter um curriculo interessante a empresas  no Rio de Janeiro -> Viver no Rio de Janeiro -> adoraria poder ver o mar pela manhã e caminhar na lagoa aos sábados.
  •  Dançar forró -> Dançar forró
  • Fuçar o facebook de fulano -> fulano tem ideias interessantes -> ler ideias interessantes
  • Ser promovido -> ganhar mais dinheiro -> enriquecer -> ser rico -> XXXXX

No último caso a cadeia de raciocínio não se encerra num valor final, e a criança esperneia e chora até você abandonar aquela ação.

A parte mais fundamental é descobrir o que de fato são seus objetivos finais, sobre o que falarei mais à frente.

O que você ganha com isso?

Não passar pelo problema apontado lindamente por Lehnnon: Life is what happens while you are planning the future. Isto é, não viver uma vida em busca de objetivos instrumentais.

What we are doing is we are bringing up children and educating them to live the same sort of lives we are living… in order that, er, that they would-may justify themselves and find satisfaction in life by bringing up their children to bring up their children to do the same things so it’s all retch and no vomit — it never gets there. (Alan Watts)

3) Seu recurso mais valioso é o que você ignora consistentemente

O que é

Você sente isso  na aceleração da internet, nas maneiras cada vez mais viciantes de se manter um usuário conectado a um site, nos balões vermelhos lhe avisando de cada nova atualização do Facebook. Você sente isso quando vê que cada dia mais tem menos tempo para os amigos, para as leituras, para meditar, para estar só. Mas não é imediato perceber o que é o problema. O problema é que o mundo está acelerando a capacidade de invadir seu espaço psicológico e dominar sua mente. Sua atenção está sendo sequestrada por gangues cada vez mais eficientes. E se você não lidar com esse problema de maneira atenta e tomando a perspectiva de terceira pessoa, vai se tornar um marionete de um sistema que evoluiu exponencialmente rápido para extrair seu tempo, recurso, motivação e dinheiro, e está cada vez lhe arrancando mais, até que sua alma se dissolva completamente num autômato desajeitado.

Exemplo Prático.

Existem pessoas que não usam ADblock, pessoas que pagam pelo farmville, pessoas que pagam por cartas cada vez mais caras e raras de Magic (como eu), carreiras cada vez mais concentradas de pasta base de cocaína, músicas cada vez mais proeminentes em seu apelo aos instintos básicos, como o funk carioca. Existem pessoas que se perderam para sempre dissolvidas em séries americanas cada vez mais incrivelmente cativantes. Milhões de brasileiros assistem novela. E se você se sente superior por assistir Breaking Bed, Lost, Friends, How I met your mother, ou jogar GTA V, Civilization IV ou passar horas por dia checando sua caixa de Email e Facebook, pense de novo. Obrigado por fumar:

Porque é Importante.

Quando ligam na sua casa para vender um seguro de bla bla blá as oito da noite, você se revolta. O mesmo deveria acontecer quando a Folha, o Estado, a Veja, a Men’s health, ou qualquer informação sobre os afazeres da Jennifer Anniston ou a Miley Cyrus penetram sua retina e se alojam confortavelmente em seu cérebro. É absolutamente evidente que é a seguradora quem lucra com aquela ligação e não você, se não eles não ligariam. Você sabe disso. O que você esquece é do contrário. As grandes coisas da vida. Aquilo que mais lhe interessa, seus objetivos mais caros, profundos e finais nunca vão ligar em sua casa para perguntar se você os deseja. Raramente uma pessoa se dá ao trabalho de contar grandes experiências e com o advento da internet, isso ajudou-nos a descobrir coisas interessantes. Mas todas as coisas da vida que estão na intersecção “se você soubesse que é uma possibilidade, ia ser espetacular, incrível, uma grande oportunidade, e divertidíssima para você” e “não é lucrativo nem particularmente desejado por outras pessoas” estão no lado escuro da lua.  Ninguém virá falar sobre elas, e encontrá-las deveria ser um esforço seu, afinal, são as coisas que você mais valoriza, por definição.

Como transformar sua vida nessa direção

Elimine a informação que é arremessada contra seu crânio pela mídia, destrua seu Newsfeed do Face com o app Newsfeed Eradicator. Instale o ADblock, pare de fumar e se pergunte, toda vez que você clicar num hiperlink “esse seria um bom momento para desconectar o cabo da internet por 20 minutos, para ter certeza que eu não entre numa cadeia interminável de hiperlinks?
Precisamos sair daqui porque da mesma maneira que aqui se confunde misticismo misterioso arcaico com sabedoria, aqui se confunde “dieta de pouca informação” com “neurose”. É um estado de calamidade pública e privada.

O que você ganha com isso?

A oportunidade de descobrir quem você é e o que você quer. Tempo para pensar, criar, dançar e sentir. E um estado mais relaxado e menos taquicárdico diante da vida.

4) Tome a perspectiva de terceira pessoa sobre si mesmo semanalmente

O que é

Lembrar-se de pensar tanto na desimportância global da sua ação e suas preocupações, como da importância que você espera que essas coisas tenham em diferentes fases da vida. O que realmente interessa quando você olhar para trás no futuro, ou  quando você olhou para frente no passado.

Exemplo Prático.

Conjectura de Caleiro: Ao olhar a vida na direção inversa, partindo do dia em que morremos, a incerteza sobre quantos anos temos nos faz muito mais tranquilos e menos competitivos com relação a pessoas que, na contagem normal, tem nossa idade, mas parecem estar mais “avançadas” em alguma coisa do que nós. Se você não sabe se tem 25, 35 ou 50 anos, faz muito menos diferença ser o CEO ou não da companhia, estar dando aulas de inglês ou morar com seus pais.

Porque é Importante.

Acredito que 80% das pessoas parariam de se preocupar com 80% de suas preocupações cotidianas se pensassem assim. E provavelmente deixariam de fazer muita coisa desnecessária, e finalmente teriam coragem de tomar aquela iniciativa que a tanto vem postergando.

Como transformar sua vida nessa direção

Passe cinco minutos perguntando a si mesmo se ao olhar para trás, em 20 anos, ou aos mais românticos, em seu leito de morte, você se arrependeria mais de tomar essa ação ou de não tomá-la. Aja para satisfazer aquele sujeito que não está tão mesquinha, egoista e pequenamente imbuído no seu contexto específico e suas circunstâncias atuais. Pense no que você recomendaria a outra pessoa nessa situação.

O que você ganha com isso?

A garantia de poder olhar para trás e cantar My Way ao fim de sua vida. Esse sim é um objetivo final que vale a pena ter.

5) O triângulo das 3 vidas possíveis (Experiencial, Otimizadora e Altruista) e descobrindo onde você se encontra nele.

rgb-triangle

O que é

Até onde compreendi, existem apenas três direções para guiar nossas ações e vida que fazem sentido. Todos os pontos do plano contidos nesse triangulo são logicamente sustentáveis, e possivelmente defensáveis como forma de vida, como distribuição de alocação de recursos psicológicos. Qualquer ponto fora do triângulo, dentro ou fora de seu plano, é um erro e deve ser corrigido. A descrição das extremidades dá o limite máximo de uma característica. o baricentro portanto seria alguém que age igualmente nas três direções possíveis. Isso pode ser feito tanto mesclando numa só ação dois tipos de objetivos, como também distribuindo seu tempo entre ações distintas na proporção em que o seu ponto dista de cada extremidade (quanto mais próximo, mais tempo dedicado aqula atividade).

  • Uma pessoa vermelha deseja mudar um aspecto do mundo de uma maneira específica: Gaudí construiu estruturas específicas com um determinado design, e optimizou o mundo para que ele tivesse mais dessas estruturas. A palavra chave é otimizar, é o pensamento cibernético, é maximizar a probabilidade de que algum elemento do mundo seja de uma determinada maneira, é Rockfeller, estabelecendo como Nova York será, é uma criança construindo um barco de lego. É definir um conjunto de objetivos e encontrar o conjunto mínimo de ações que garante que aquelas modificação serão feitas. É o que liga o engenheiro e o artista.
  • Uma pessoa verde é um altruísta. Não existe altruísmo ineficaz exceto como falha cognitiva. O altruísmo é querer maximizar o benefício aos outros independente de quem eles sejam (um altruismo puramente intra-familiar por contraste seria uma pessoa vermelha, ela deseja um mundo com uma propriedade específica para um grupo específico). Um altruísta eficaz tem seu modelo de vida em Peter Singer e Paul Cristiano, e no momento, dado nosso nível de desconhecimento dos problemas do mundo, se ocupa de compreender melhor quais são as tarefas mais importantes fora a única que sabemos até o momento, evitar riscos existenciais, que cortem permanentemente o potencial futuro humano. Bostrom pode ter encontrado a única certeza ética que temos até o momento, e Elon Musk pode estar tentando alucinadamente resolver esse problema. Mas qualquer outro altruísta só poderia estar procurando novas certezas, ajudando Musk a nos colocar em Marte, ou financiando uma dessas duas tarefas. Qualquer outra atividade, de visitar centros espíritas à distribuir o sopão, de promover o software livre a melhorar a educação brasileira, de doar tempo para o movimento muda mundo, é ou um erro epistêmico (um desconhecimento a respeito de algum aspecto do mundo) ou uma forma atravessada de misturar uma sensação quentinha no peito (causada ou por aspectos vermelhos os azuis) com imaginar a si mesmo como um altruísta. É um auto-engano ou um equivoco. E as únicas pessoas que sabem isso e vivem isso estão lá e não aqui.
  • Uma pessoa azul é um experiencialista, o foco de seus desejos e objetivos não está num objeto descritível fisicamente, mas num conjunto de experiências, ou tipos de experiências. Ao invés de querer mudar a cidade de São Paulo, ele deseja saborear as melhores lasanhas de São Paulo. Ao invés de querer aumentar uma quantidade objetiva de vidas de infindável diversão que alguém viverá no futuro distante caso a terra não seja destruida e atinjámos a maturidade tecnológica, ele quer sentir o prazer de resolver uma determinada equação que, por acaso, levará a humanidade a conquistar o espaço. Ou até mesmo ele quer a experiência de ter feito um ato genuinamente altruista, de ter visitado a extremidade verde por um dia. Mas na sua cadeia de porquês, o ato de altruísmo não está sublinhado, a sensação de executar o ato de altruismo é o último elemento da cadeia. O mesmo vale para um grande projeto vermelho, como escrever um livro. Um experiencialista que escreve um livro almeja não um mundo que contenha aquele livro, mas a sensação de escrevê-lo, a sensação de ser lido, a sensação de ser reconhecido como um autor e assim por diante. Um verde ou um vermelho poucas razões têm para usar drogas que comprometam sua habilidade de mobilizar a matéria, um azul não padece do mesmo tipo de desconforto. Não há problema em viver numa tribo por meses, passar um dia no parque, ou até assitir uma série viciante, porque a própria experiência tem valor.

Exemplo Prático.

Você doa seu tempo num sábado para a campanha do agasalho, mas acha que está fazendo uma ação verde. No entanto, sua ação é claramente vermelha. Você acha que quer escrever um livro para que ele exista (vermelho) mas na verdade, o que você deseja é tornar-se atraente (azul). Você acha que fuma maconha porque isso lhe dá boas ideias (vermelho), mas fuma pela experiência (azul) ou por vício (fora do triângulo, já que não é justificado).

Porque é Importante.

É fundamental se situar nesse triângulo. Na medida em que houver qualquer verde em você, é fundamental saber que há pouquíssimas ações legitimamente verdes. A cada ação, é interessante saber se sua razão é azul, vermelha ou verde. E ao longo do processo, compreender onde se está na escala do roxo (que liga o azul e o vermelho) serve para orientar e reformar seus objetivos de curto médio e longo prazo. E para distribuir seu tempo.
Precisamos sair daqui porque menos de 100 pessoas dentre as 7 bilhões vivas e as 70 bilhões que já existiram compreendem plenamente a extremidade verde. E por isso mesmo ela é de extrema importância. Todos os atos verdes feitos no passado foram feitos, por assim dizer, por acaso. Mas agora isso não é mais necessário. Lá há mais vermelho que aqui. Lá, existe verde. Eu gostaria de dizer que aqui somos azul-arroxeados, como provavelmente sua intuição está lhe fazendo pensar agora. Mas na verdade, aqui somos apenas confusos. Ninguém sabe o que fazer como nada, lembrando as palavras de Thiel, um dos 100.

Como transformar sua vida nessa direção

Localize seu ponto no triangulo. Toque-o, pense nele consistentemente. Verifique até que ponto suas ações estão deixando uma extremidade valiosa de lado. Você é um azul, mas achava que era vermelho? Corrija isso.

O que você ganha com isso?

Para cada ação, você saberá que deve tentar encontrar sua “projeção” mais próxima no triângulo, já que nenhuma ação fora do triângulo é justificada (se eu estiver correto). Essa simples heurística irá regular muito melhor seu tempo e pensamento sobre como viver.

6) O diagrama de Venn que decide o próximo projeto.

O que é

Diagrama Venn Ações  vida

Exemplo Prático de um erro:

As poucas pessoas que procuraram um pensamento diagrâmico chegaram a uma péssima conclusão, de diagrama de venn para a vida.   Eles acreditam que a vitória está na intersecção de

O que você amaO que você pode ser pago para fazer, Coisas nas quais você é bom. 

Um problema desse diagrama é que ele confunde dinheiro com valor. O que é valioso para você não necessariamente, mas possivelmente envolve dinheiro. A bolha correta diria “o que produz valor para você”.   Outro problema é que ele mistura valor (vermelho) com amor/tesão (azul) sem deixar isso claro, e muitas vezes, dividir o tempo é melhor do que tentar fazer um multitasking colorido interatividades, misturar todas as corres leva a um marrom opaco e feio, dividi-las em sua pintura pode gerar uma linda composição. Um outro problema, muito mais grave, é que ele não leva em conta contrafactuais, o que aconteceria se você não fizesse aquilo. Para objetivos azuis, experienciais, todo o valor é perdido quando você não faz aquilo, mas no caso dos objetivos verdes ou vermelhos, a situação é muito diferente. Nesse caso é necessário se perguntar o que aconteceria, exatamente, se eu não executasse aquela ação. Alguma outra pessoa ou agente faria a mesma coisa? Se sim, o valor verde ou vermelho gerado seria o mesmo. E vale a pena partir para outra atividade.

Porque é Importante.

O diagrama que decide os projetos que valem a pena executar (a intersecção amarela, entre o verde e o vermelho) só tem valor para o verde e o vermelho, que tem objetivos no mundo. Mas para objetivos fora do campo da experiencia, fora do azul, só as ações e projetos amarelos são justificados. Não faz sentido, em objetivos finais vermelhos ou verdes executar qualquer ação fora do amarelo.  Apenas objetivos azuis ou objetivos instrumentais devem permitir-nos sair do campo do amarelo.

Como transformar sua vida nessa direção

Use o diagrama, nunca faça nada vermelho ou verde que não esteja na intersecção amarela.

O que você ganha com isso?

Seus objetivos de fato vão acontecer, e você não precisará se resignar a fingir o feng-shui da sua casa está ampliando a harmonia cósmica, que rezar é eficaz, que astrologia diz algo fundamental sobre a realidade. Você estará de fato agindo no mundo, e não se enganando a respeito. Suas ações terão consequências de verdade. Ao invés de inventar desculpas para porque você falhou, você estará sempre em busca de como conseguir de verdade. Dá medo né? Esse medo impediu muita gente de ir pra lá, então por um efeito de seleção, é lá que estão aqueles que ultrapassaram o medo.

7) Esvaziamento da mente e libertação da criatividade

O que é

Usar um sistema Getting Things Done para liberar espaço psicológico e motivacional. Um sistema Getting Things Done é um esquema desenvolvido por David Allen, que uma vez implementado, faz com que cada pensamento só tenha que passar por sua cabeça uma vez. A mente é para ter ideias, não para retê-las, ou re-têlas.

Exemplo Prático.

Não faz a menor diferença quanto você pensa hoje sobre a conta que só pode pagar amanhã, quanto pensa no ônibus sobre  a proposta que só pode escrever no computador, e quanto lembra que precisa de leite quando não está no supermercado. Se seu sistema para lembras as coisas é o cérebro, ele não foi feito para isso, e está sobrecarregado. É necessário externalizar as ações que tem que ser feitas por seu eu futuro. E estar sempre com a mente livre para criar. A única coisa que você precisará se lembrar é checar seu GTD diariamente. Melhor do que todas as perturbações que estão na sua cabeça sobre o que tem que fazer na próxima semana, não?

Porque é Importante.

Tempo, stress, habilidade de manejo.

Como transformar sua vida nessa direção

https://thepiratebay.se/search/getting%20things%20done/0/7/0

O que você ganha com isso?

Paz mental interior.

8) Você é resultado do ambiente ao seu redor. Modifique-o de acordo.

O que é

Você é a média das cinco pessoas com quem passa mais tempo. – Jim Rohn.
Elon Musk decidiu onde estar aos 10 anos. Eu aprendi aos 26. Tim Ferriss considera esse o melhor conselho que ele já recebeu. Cito Milton Friendman: I do not believe that the solution to our problem is simply to elect the right people. The important thing is to establish a political climate of opinion which will make it politically profitable for the wrong people to do the right thing. Unless it is politically profitable for the wrong people to do the right thing, the right people will not do the right thing either, or if they try, they will shortly be out of office.

Eu estou indo embora para mudar a mecânica de incentivos que me circunda. Para ser parabenizado por pensar e não ter de ouvir a pergunta: “Você não cansa de pensar?” Para odiar a morte e não ser recebido com desdém e desaprovação, para poder querer mudar o mundo e não precisar explicar porque não estou ocupando minha vida com valores familiares, para falar sobre equações e gerar sorrisos, para escrever longos textos e não ser considerado entediante. Estou indo cercar-me de “5 pessoas” muito melhores do que eu, às quais eu admirarei e com as quais aprenderei, e como um primata social que sou, serei paulatinamente adestrado a ser awesome, sem conflitos internos causados por incentivos externos.

Exemplo Prático.

Como a criogenia é mais tabu do que a bondade, quando passei a falar mais de altruismo eficaz, eu esperava receber mais aprovação e menos olhares e comentários normativos – isto é, olhares cuja função é que um terceiro, que veja o olhador e o olhado, considere que o padrão de um grupo é a opinião do olhador – Menos repreensão social. Infelizmente não é o caso. Querer ser congelado para talvez viver centenas de milhares de anos incomoda a moral das pessoas exatamente o mesmo tanto que tentar ser quantitativamente bondoso, tentar, de fato, fazer o bem, e não ter a experiência azul fingindo que ela seja verde. O verde incomoda tanto quanto o desejo de viver.  Como é possível que essas coisas incomodem é algo que só tomando a perpectiva de terceira pessoa, bem distante, eu consigo aceitar sobre as pessoas. Que alguém realmente se sinta na necessidade de justificar o não altruismo, e também de defender a morte, é algo que só pode ser aceito depois de muito respirar fundo e aceitar a medíocre condição de espécie levemente mais inteligente que as lesmas. Me deixa confuso, me dá asco como um pedaço de carne esburacado repleto de baratas, e me lembra que para onde vou não há baratas, ou melhor dizendo, é possível ignorar baratas com uma dieta de informação adequada e factível.

Porque é Importante.

First, they ignore you, then they ridicule you, then they fight you, and then, you win – Mahatma Ghandi
É importante porque pula as fases dois e três.

Como transformar sua vida nessa direção

Responda 100 perguntas sobre você no ok cupid, vá no algorítmo de busca de  Friend Match, e Love Match, e anote as cidades onde mais tem gente que pensa como você. Mude-se para lá.

O que você ganha com isso?

Nunca mais ter de ouvir sua tia explicando como o papa é uma pessoa pura e importante cujas opiniões são particularmente sábias logo após voltar do Future of Humanity Institute em Oxford.

9) Tome a perspectiva Meta sobre si mesmo

O que é

Quando estiver numa conversa, não pense apenas no discurso que está de fato sendo falado, mas nos discursos subliminares. Primeiramente, é claro, nas intenções que aquela pessoa tem com aquela conversa, e naquilo que você quer extrair daquela conversa. Depois em quais instintos podem estar causando seu padrão de fala e gesto. E ainda no que consciente ou insconcientemente está sendo sinalizado ali.

Exemplo Prático.

Frequentemente eu me encontro em conversas sobre relacionamentos pessoais de outras pessoas. Em particular relacionamentos românticos. No entanto eu efusivamente prefiro os universos em que é impossível conversar sobre relacionamentos amorosos, presentes passados ou futuros, com terceiros. Eu só lembro disso quando tomo a perspectiva Meta e percebo que de alguma maneira ou o meu instinto, ou a vontade da outra pessoa dominou o curso da conversa, e estamos fazendo fofoca como um chimpanzé faria catação de piolhos. Isso abre a possibilidade de dizer que não gosto de falar sobre isso e sugerir outra conversa, de transformar a conversa numa intersecção desejável (por exemplo falar sobre relacionamentos em geral, o que me diverte muito), ou de dar o máximo do que suponho que a outra pessoa queira extrarir da conversa o mais rápido possível e sumir dali para falar com alguém que queira salvar o mundo, discutir o cortex visual, ou dançar contato improvisação.

Outro bom exemplo é fazer atividades de cortejo na web. Cortejar alguém de outra cidade por exemplo é extremamente ineficaz, e só no nível Meta é possível perceber que a razão (instinto + vontade de estabelecer um relacionamento pessoal envolvendo toque) pela qual você está subconcientemente fazendo aquela atividade não é justificada, e mudar de ação.

Porque é Importante.

Principalmente para combater nossos vieses instintivos. A tendencia humana é fazer fofoca, falar sobre autoridades e celebridades, falar sobre a vida sexual e moral de amigos em comum, e falar sobre os eventos recentes (por exemplo o último episódio de uma série ou um terremoto no japão, ou a nova ministra da educação). Todos esses assuntos são 90% dos casos irrelevantes (não se encontram na intersecção amarela, e não são azuis). Assim sendo 90% do tempo fofocado deveria ser gasto em outras coisas.

Como transformar sua vida nessa direção

Não tenho certeza. Como o instinto está em você como está em mim, é difícil contê-lo. É bom estar atento. Com pessoas mais abertas, estabelecer explicitamente a regra de não fofocar – e não falar sobre como seu porre foi homérico etc…   Uma ideia boa que nunca consegui testar é imprimir numa camiseta uma lista de coisas que você não quer conversar a respeito e de coisas que quer, de modo que você pode apenas culpar a camiseta por não querer fofocar, e ao mesmo tempo fornecer de pronto uma lista de tópicos para que seu interlocutor escolha aquele que mais interessa.

O que você ganha com isso?

Não saber o nome da mulher que casou com o príncipe inglês. Falar frequentemente do que realmente lhe interessa. Ser considerado um bom ouvidor por procurar saber o que realmente o outro quer da conversa. Manter uma conversa por mais tempo trocando de tópico toda vez que a outra pessoa pareça menos interessada. Não ser um chato que só fala de si mesmo.

10) Leve a vida a sério

O que é?

Levar a vida a sério é pensar, sentir, viver e ondular da maneira como pensa esse texto. Não é escrever textos, não é analisar tudo minuciosamente, é levar as coisas a sério. Você só tem essa vida, eu também. Viva cada dia da sua vida como se daqui a quatro anos você fosse morrer. Se vai jogar, Jogue. “If it is worth doing, it is worth doing well” – Dennett.  Levar a vida a sério não é cuidar bem dos móveis da sua casa. É poder cantar my Way no seu leito de morte. É poder ser o autor do livro “My Wicked, Wicked Ways”, é ser um jogador da NBA, se aposentar e escrever um livro de costura para homens. É jogar volei com um gatorade e chamar 40 pessoas por telefone para um piquenique (nos tempos pré Facebook). É criar uma copia perfeita do falcão negro. É usar drogas como Timothy Leary. É deixar de ser CEO da Mycrosoft para acabar com a doença que mais mata pobres no mundo. É roubar um selinho na quarta série. É só começar projetos que você realmente levará a cabo. É abraçar homens sem dar tapinhas nas costas. É penetrar e ser penetrada no melhor sexo da sua vida. É levantar 150 kg do chão. É correr um triatlon. É escapar do “its all retched and no vomit”.

Exemplo Prático.

Eu costumava brincar de dividir alguns amigos da classe alta paulistana em aristocracia decadente e aristocracia triunfante. A aristocracia triunfante é o processo bem sucedido da geração dos pais de vender seus medos e suas morais aos filhos, impedindo que eles vivam de maneira autêntica e própria e tornando-os, portanto, cidadãos de bem. A aristocracia decadente, evidentemente superior, é a geração de filhos que foi por caminhos alternativos àqueles oferecidos por seus pais e pela família Marinho e acabaram-se tornando, em alguma medida, anomalias da estrutura social da alta sociedade. E Paul Graham explica bem esse problema em Why Nerds Are Unpopular. Basicamente o custo de sinalização de se tornar aquilo que a sociedade espera de você é tão alto, que não sobre tempo para ser obcecado com alguma coisa (nerd). E também em How to do what you love:  “The advice of parents will tend to err on the side of money. It seems safe to say there are more undergrads who want to be novelists and whose parents want them to be doctors than who want to be doctors and whose parents want them to be novelists. The kids think their parents are “materialistic.” Not necessarily. All parents tend to be more conservative for their kids than they would for themselves, simply because, as parents, they share risks more than rewards. If your eight year old son decides to climb a tall tree, or your teenage daughter decides to date the local bad boy, you won’t get a share in the excitement, but if your son falls, or your daughter gets pregnant, you’ll have to deal with the consequences.”

Porque é Importante.

Porque leu na veja, azar o seu. Assim como o papa, Nietzche e tantas outras figuras célebres, lembrem-se que as pessoas que construiram a sociedade são apenas macacos. E seus pais também. Seu pai. Sua mãe.

Como transformar sua vida nessa direção

Vale o mesmo que no caso da falácia naturalista. Se imagine na situação inversa. Você é uma outra pessoa muito diferente. Você alternativa se modificaria para tornar-se mais parecida consigo? Se não, então você deveria se modificar naquela direção alternativa. Elimine o Status Quo bias.

O que você ganha com isso?

Em uma palavra?  Tudo.

If you just arrived at fourhourscience, take a look at the first challenge as it is the only one you have to go through to jump straight on to the current challenge. Do challenge yourself on the comment section, and every first of the month, I’ll start a challenge chosen by my readers, and ask how they are going at their own self-challenges. Every 15th, I’ll choose one for myself. If you want to give me a challenge, make a comment in the most recent post, which is where I’ll get them from every 1st of the month. To subscribe to fourhourscience.com and keep track of your challenges, click on the blackish square on the bottom right that says follow.  If you are logged in a wordpress account, check the top left instead. – Neotenic

Interlude: There Is No Spoon

Publicly challenging oneself works sometimes, and doesn’t others. It relies on the assumption that extrinsic motivation is necessary. Extrinsic motivation, of course, is sometimes necessary, since so much of what we do, we do for others, or to signal to others. But when the motivation within is large enough, we enter a “there is no spoon” state.

For the time being, we are at an interlude.

For as long as the intense, vibrant, exciting pull of the Goal that I’m currently pursuing lasts, there need be no challenges.

While this window of time lasts, there is no spoon.

#43 Drift Towards The Goal

This months challenge can’t be thought of too much, so instead of writing about previous challenges and writing a text I’ll just briefly mention the idea:

Challenge #43 Drifting Towards The Goal

I’m at a very goal oriented place in Berkeley now, while also being pretty confident my plan is to move to Berkeley or Oxford. I know the general outlook of the plan, I have some particular things I have to do in mind, but for the next month I’ll let myself drift a little more. Not in a completely general direction, but any drifting that generally goes toward some of the main overarching goals. I’ve done a nice amount of work to “aid” fate by reallocating here to begin with, now let us see what fate will have to offer.

And if today’s post seems too short, here is an hour long introduction to effective altruism:

 

If you just arrived at fourhourscience, take a look at the first challenge as it is the only one you have to go through to jump straight on to the current challenge. Do challenge yourself on the comment section, and every first of the month, I’ll start a challenge chosen by my readers, and ask how they are going at their own self-challenges. Every 15th, I’ll choose one for myself. If you want to give me a challenge, make a comment in the most recent post, which is where I’ll get them from every 1st of the month. To subscribe to fourhourscience.com and keep track of your challenges, click on the blackish square on the bottom right that says follow.  If you are logged in a wordpress account, check the top left instead. – Neotenic